segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Quando tudo se vai



Não sei escrever, na verdade quase nunca escrevo, poderia iniciar dizendo a minha idade e meu nome, mas isso é ridiculo. Como tem que começar de algum jeito, então lá vai. Estou escrevendo pra contar algo que me aconteceu, sou um cara de vinte anos. Se você quiser, pode parar de ler, eu sei que todo mundo gosta de suspense, amor, sexo selvagem e essas outras coisas, aqui não vai ter nada disso, por que eu nunca fiz nada de interesente, nunca me aconteceu nada de mais. Minha mãe é daquelas que morre de medo do marido, é uma mosca morta, ela nem ligaria se eu virasse gay, não que eu seja gay. Meu pai sim, meu pai é reservado e me odeia, ele quer que eu morra por que os amigos dele me chamam de bicha, baitola, frutinha, e por aí vai... Quando eu era criança me apaixonei, ele era loirinho de olhos verdes, lindo, lindo... Um dia chamei ele até o banheiro da escola e roubei um beijo. É claro que ele contou pra professora, e pra mãe, e pro pai dele. Depois desse dia, nunca mais o vi. Quando completei quinze anos conheci uma garota que mais parecia um garoto, até que era bonitinha. Resolvemos namorar, conversavamos sobre tudo, discutiamos livros, filmes... Mas na hora de transar meu pau não ficava duro, depois de um tempo descobrimos... O que ela gosta é de seios fartos e eu, acho que já sei do que gosto também. Terminamos e nunca mais a vi, minha mãe é que sempre a via e perguntava, por quê. Foi nessa época que comecei a usar drogas, meu pai descobriu. Me deu uma surra e eu chamei ele de filho da puta, me botou pra fora de casa. Minha mãe não fez nenhuma objeção. Fui embora sem nada, com a roupa do corpo. Vaguei pelas ruas, a noite veio e tive que dormir no banco da praça. No dia seguinte, sem nada pra comer, me vi vasculhando o lixo. - Meu Deus, eu vasculhando o lixo. – Briguei comigo mesmo. Não havia jeito. Vi minha mãe varias vezes mas ela me virava as costas. Depois de um tempo achei uma pensão, mas não tinha dinheiro pra pagar, convenci um cara que gosta de me chupar a me dar dinheiro. Foi na pensão que conheci Tony, olhos tão vivos, sorriso absurdamente encantador, cabelos lisos caindo nos olhos. Me apaixonei. Eu sempre o provocava, sentava perto e botava as mãos nas coxas dele, passava na frente dele só de cueca, piscava o olho... Teve uma noite que quando todos estavam dormindo fui até a cama de Tony, ele estava dormindo então me aproveitei da situação, entrei por dentro das cobertas e comecei a beija-lo, depois fui descendo, com a boca ansiosa, como quem procura um tesouro. Achei. Eu sabia que ele estava acordado, mas fingia perfeitamente estar dormindo. Conheci o céu nesse dia e depois dele a cama de Tony tornou-se minha cama. O que eu não sabia era que ele tinha uma noiva. Numa madrugada dessas que passava ao lado do Tony escutei um barulho. Era a noiva que queria fazer-lhe uma surpresa. Mas acabou se deparando comigo, ali, agarrado ao seu noivo. Ela não disse nada, apenas foi embora. Ele correu atrás dela, sem exito. Depois desse dia, nunca mais o vi. Parece que eu tenho esse dom de fazer as pessoas que eu gosto desaparecerem. Sempre acontece algo ou vem alguem que diz “acabou a festa.”. Voltei ás ruas, por que o cara que gostava de me chupar também sumiu. Ninguém quer me dar emprego. Tudo bem. Cidade pequena e todo mundo tem preconceito só por que sou gay. Hoje só o que tenho é esse papel e essa caneta, mas já vou indo dormir, estou cansado, e o confortável banco da praça me espera, sei que ninguém vai ler isso mesmo.

10 comentários:

Fernanda Barcellos disse...

Nini,

Obrigada pela visita no meu blog. Volte sempre que quiser.

BEijos

Por que você faz poema? disse...

Dois já leram.

Nini C . disse...

kkkkkkkk... Explicar aki, meu hd queimou, perdi todos os meus documentos, contos, textos... Pensando que meu dia de postar era amanhã, tive que escrever um conto as pressas... =[

BlackRabbit disse...

texto bom...
mesmo escrito as pressas...
bjaum marida...
\o

Rodolpho Padovani disse...

Ficou muito bom o texto, o assunto é meio polêmico e diferente de tudo que vi por aí.
Gostei mesmo, pra um texto escrito às pressas está perfeito.

Nina disse...

Olá, tudo bem? Lindo o post,realmente amei.

Gostaria que me fizesse um grande favor:

Vc poderia dar uma passadinha em um outro blog que eu fiz com uma grande amiga minha?

http://help-me-to-dream.blogspot.com/

Se gostar segue tá?

Um beijo

Nina

Aleatoriamente disse...

Obrigada por tua visita.
Tens um belo cantinho.
O texto é bem contado e intenso.

Bjinho.
Fernanda.

tatiane cerqueira disse...

Muito bom o texto! :D Parabéns

Cristiano Guerra disse...

Nini, essa criativida é só sua, Nunca vi ninguém escrever igual. Quando você vem assim, não tem como parar de ler, qualquer que seja o tema que você escolher. Você é excepcional ;D

» Cynthia Brito! disse...

Bem interessante a escrita da Nini. Adorei o texto :D