sábado, 6 de novembro de 2010

O frasco de sonhos


- Lúcia, você viu o frasco de vidro que deixei em...

O que a mãe da menina viu, a fez se interromper. Quando parou na porta do quarto da filha, a mesma estava com o frasco que ela procurava. Viu que dentro do frasco havia alguns papeizinhos coloridos enrolados, com finas fitinhas os prendendo, para que não se desenrolassem.

Lúcia estava acabando de enrolar mais um e olhou para a mãe que estava parada na porta.
- Filha, mas o que você está fazendo? - Perguntou, sem compreender.
- É um trabalho pra escola, mãe. – Ela respondeu, voltando o olhar para o que estava fazendo. Prendeu o pequeno papel, e o jogou dentro do frasco também.
- Hum... E que tipo de trabalho é esse?
- O professor de artes pediu que fizéssemos algo que passasse às pessoas uma mensagem. Algo que tem a ver com o que gostamos e pensamos. Um pensamento para compartilhar com os outros. Ele disse que isso é importante. – Explicou, sem deixar de se concentrar em seu trabalho escolar.
- É um trabalho legal e interessante, mesmo. Já está terminando?
- Acho que não. Vou enrolar mais papeizinhos pra ficar melhor. Ainda tenho que escrever o que contém no frasco.
- Mas todos sabem que o que está no frasco são os papeizinhos.
- Sim, mas o que eu vou escrever, faz parte da mensagem, mãe.
- Ah, entendi. – Disse a mãe, tentando compreender qual era exatamente o pensamento que sua filha iria compartilhar. Parecia-lhe uma mensagem bem enigmática, assim, sem explicação.

Lúcia já havia colocado vários papeizinhos coloridos dentro do frasco. Retirou uma folha de sulfite da gaveta de sua mesinha branca e recortou um pedaço em forma retangular. Apanhou uma canetinha preta que estava em seu porta lápis e escreveu uma palavra no pedaço que recortou: Dreams.
Colocou um pouco de durex atrás do papel escrito, e o pressionou no meio do frasco, colando-o.

- Agora sim. Está pronto. – Ela disse olhando para a mãe, e depois olhou sorrindo, admirando seu trabalho que já estava terminado. Parecia sentir um certo orgulho pelo que acabara de fazer.
A mãe observou o trabalho e olhou para a filha, notando que esta se sentia feliz.
- Ficou muito lindo e caprichado, filha. Mas pode me dizer qual é a mensagem? Está difícil descobrir.
Lúcia riu. Mas sabia que todos precisariam de sua explicação. Para ela era fácil entender, porque ela sabia o que ela gostava e o que pensava. Porém gostos e pensamentos são diferentes.

- Ta legal, mãe. Vou explicar. – Disse prontamente, virando a cadeira que estava, de frente para sua mãe, que agora estava sentada na cama. Notou que escrevi “sonhos” em inglês. A senhora sabe que esse idioma é minha paixão. Está aí uma coisa que eu gosto e muito.
- É, isso é verdade. Mas e quanto ao frasco aberto e os papeizinhos enrolados dentro dele?
- Pense que o frasco é uma pessoa e os papeizinhos são a constituição dela. Cada um deles é um sonho. Únicos em si, e fechados em um mesmo lugar. Escolhi o frasco de vidro, porque o vidro, como nós seres humanos, pode se quebrar. Mas pode ferir também. Só que apesar disso, o que nos completa são nossos sonhos. Muitas vezes eles parecem impossíveis, porque estão muito no fundo do frasco, a vontade é pouca e faz a pessoa achar que é algo irrealizável pelo fato de ser difícil de alcançar. Mas isso não é motivo para desistir. Aquilo que está longe apenas requer mais esforço para ser alcançado para que quando o conseguirmos possamos valorizá-lo. Não vale virar o frasco de uma vez. Sonhos não ficam bem quando ficam espalhados por aí. O ideal, é retirar papelzinho por papelzinho, assim chegaremos aos do fundo do frasco. Nada é difícil, quando começamos pelo mais fácil. Tem que ser assim, pra não perdemos tempo.
Mas a essência mesmo para a realização de um sonho, não está na maneira que encontramos para realizá-los e sim na perseverança que temos para que ele aconteça.

Lúcia se levantou da cadeira e se sentou ao lado da mãe na cama. Ela sorriu para a filha, que contente por a mãe ter gostado, lhe abraçou. Com a cabeça encostada no peito da mãe, a menina olhou para o frasco e fechou os olhos. Sua mãe havia encontrado o frasco. Agora faltava Lúcia buscar realizar seus sonhos. De que maneira? Não se sabe. Mas o importante, é que se busque. Afinal, falhas doem bem menos do que o arrependimento de não ter tentado.

Lúcia abraçou sua mãe mais apertado. Sua mãe estava orgulhosa. E ela estava confiante de que o professor acharia seu trabalho interessante também.

8 comentários:

renatocinema disse...

Gostei muito. Principalmente sobre a linha da perseverança. Realidade pura.

Posso divulgar o blog de vocês, humildemente, no meu facebook e twitter?

Nina disse...

Adorei! Muito lindo! pERFEITO!

BJOS

Nina

BlackRabbit disse...

moça...
adoro teus textos...
muito bom...
=***
se cuida aew...

Insana disse...

Um texto magico, parabens

bjs
Insana

Rodolpho Padovani disse...

Muito bom, gostei desse frasco de sonhos, transparente e bem cheio, assim como muitas pessoas.
Vou buscar chegar ao fundo do meu frasco enquanto realizo meus sonhos.

E acho que ela tira 10, hein, haha.

renatocinema disse...

Conforme solicitado e autorizado divulguei o site de vocês no meu twitter e facebook.

Abraços

Lívea Colares disse...

Adorei esse texto, muito bonito mesmo, vou indicar no meu twitter.

Dream - O Livro dos Sonhos disse...

http://dreamolivrodossonhos.blogspot.com/ dêm uma olhada, to começando agora, mas tenho bastante trabalho guardado comigo.
Obrigado